Bancada do Nordeste discute retomada da obra da Transnordestina

Bancada do Nordeste discute retomada da obra da Transnordestina

A Bancada do Nordeste recebeu nesta quarta-feira (8), o comando da Ferrovia Transnordestina para discutir a situação da obra e as perspectivas para que seja concluída. A deputada Luciana Santos (PCdoB/PE) participou do debate que contou com cerca de 40 parlamentares e com governadores e representantes de governos estaduais da região. “ Essa é uma obra estruturante, necessária ao desenvolvimento do Nordeste e do Brasil. Precisamos de intervenções como essa que ajudem a superar as desigualdades regionais e que impulsionem a economia da região”, defendeu Luciana.

A Ferrovia Transnordestina é a maior obra do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), lançado pelo ex-presidente Lula. Com mais de 1.700 quilômetros de extensão, parte da cidade de Eliseu Martins, no Piauí, até Salgueiro, em Pernambuco. Ali, a ferrovia se divide em dois trechos: um seguirá até o porto de Pecém, no Ceará, e o outro, em direção a Suape, em Pernambuco. Tem capacidade para transportar 30 milhões de toneladas/ano. A expectativa é que ao ser finalizada possa transportar grãos, combustíveis, minério de ferro, fertilizantes e outras cargas e gerar cerca de seis mil empregos.

Sérgio Leite, presidente da Transnordestina Logística, empresa controlada pelo Grupo CSN (Companhia Siderúrgica Nacional), destacou importância do encontro com os parlamentares pela organização e integração em prol da ferrovia, que permitirá a integração definitiva da região. Afirmou que inicialmente a empresa tem a necessidade de liberação de cerca de R$ 400 milhões para reiniciar os trabalhos nos dois trechos onde já existem empresas mobilizadas, o mais rápido possível, tanto no Piauí quanto no Ceará. A obra tem hoje 54% de implementação.

Ao final do encontro o grupo parlamentar decidiu pela criação de um grupo de trabalho com senadores e deputados para analisar os problemas e o encaminhamento das soluções para a conclusão da obra e se comprometeu em praticar uma agenda conjunta para reivindicar a retomada e conclusão da obra.

De Brasília;
Ana Cristina Santos