Campanha do TSE vai estimular mulher a participar da política

Campanha do TSE vai estimular mulher a participar da política
SenadoMulherTSE

SenadoMulherTSECom muitos aplausos, autoridades, parlamentares e convidadas saudaram a campanha que será veiculada em rádio e TV de todo o país convidando às mulheres para que se façam mais presentes nos espaços de poder, concorrendo a cargos eletivos. A campanha, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), foi lançada nesta quarta-feira (19), em sessão do Congresso Nacional, com presença do presidente do tribunal, ministro Marco Aurélio de Mello.

 

 

SenadoMulherTSECom muitos aplausos, autoridades, parlamentares e convidadas saudaram a campanha que será veiculada em rádio e TV de todo o país convidando às mulheres para que se façam mais presentes nos espaços de poder, concorrendo a cargos eletivos. A campanha, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), foi lançada nesta quarta-feira (19), em sessão do Congresso Nacional, com presença do presidente do tribunal, ministro Marco Aurélio de Mello.

“Até quando vamos deixar que eles falem por nós”, indaga a mulher no vídeo em que lembra que mais de 50% do eleitorado é feminino e que o parlamento é formada por apenas 9% de mulheres. Com isso, a campanha quer conscientizar a população sobre a grave sub-representatividade feminina na política brasileira.

No vídeo e no áudio, as mulheres são convidadas: “Vamos fazer parte da política. Vamos fazer parte da solução.” As falas dos oradores foram uníssonas em destacar a importância de uma campanha institucional para ampliar a participação da mulher nos espaços de poder.

Mudar a política

A Procuradora da Mulher no Senado, Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), responsável pela emenda que garantiu na minirreforma eleitoral a realização da campanha institucional, ao declarar confiança no resultado da campanha, citou as palavras da recém-empossada presidenta do Chile, Michele Bachelet, que diz “quando uma mulher entra na política, muda a mulher, mas quando muitas mulheres entram na política, muda a apolítica”.

Segundo Vanessa, com mais mulheres na política é possível mudar a política para que mais parlamentares trabalhem pelas necessidades dos meninos e meninas brasileiras.

A coordenadora da Bancada feminina na Câmara, deputada Jô Moraes (PCdoB-MG), em seu rápido discurso, fez a mesma referência que Vanessa à capacidade das mulheres de lutarem por “pão e paz”.

Machismo prevalece

O ministro Marco Aurélio Melo, o primeira a discursar, depois de avaliar a realidade atual das mulheres brasileiras, que ainda sofrem discriminações e preconceitos, com baixa representatividade nas instâncias de poder, disse que mesmo com uma legislação que procura estimular uma sociedade igual, justa e solidária, o machismo prevalece.

Ele lembrou que o Brasil é um dos países com piores índices de participação de mulheres no Legislativo e no Executivo: de cada dez eleitos, nove, em média, são homens. E, apesar de termos elegido uma presidenta da República, ocupamos um constrangedor 156º lugar num ranking de 188 nações sobre igualdade na presença de homens e mulheres nos parlamentos.

E, ao encerrar suas palavras, declarou: “Todo poder às mulheres na esperança de um Brasil mais equilibrado”.

A ministra Eleonora Menicucci agradeceu ao TSE e reafirmou o compromisso do governo federal de enfrentar a luta pela emancipação da mulher em todos os níveis.

Com o slogan “Faça parte da política” e a hashtag #vempraurna, essa será a primeira campanha institucional do TSE sobre o tema. A ação é fruto de emenda incluída pelo Senado na minirreforma eleitoral, aprovada pelo Congresso no ano passado. A lei estabelece que, em anos eleitorais, de março a junho, o TSE “poderá promover propaganda institucional, em rádio e televisão, destinada a incentivar a igualdade de gênero e a participação feminina na política”. Assim, a primeira campanha já terá como foco as eleições deste ano.

 
Para o Portal Vermelho
De Brasília
Márcia Xavier