Congresso homenageia Bancada Feminina de 1988 na entrega do Prêmio Bertha Lutz

Congresso homenageia Bancada Feminina de 1988 na entrega do Prêmio Bertha Lutz

O Congresso Nacional realizou sessão especial em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, nesta quarta-feira (7), no plenário do Senado Federal. Na oportunidade foi entregue o Diploma Bertha Lutz que homenageia as 26 deputadas que atuaram no processo constituinte entre 1987 e 1988.

A deputada Luciana Santos participou da sessão e reverenciou a memória de Cristina Tavares. “Lembro aqui o papel de Cristina Tavares, pernambucana altiva que fez jus a historia de lutas libertárias do povo pernambucano”. Também destacou a atuação das bancadas femininas e, em particular, das comunistas em 1988 e nessa legislatura.

“A atuação das mulheres constituintes garantiu direitos específicos às mulheres como o salário família, a extensão direitos trabalhistas às mulheres, a necessidade de regulamentar o trabalho das empregadas domésticas, o atendimento prioritário às vitimas de violência sexual, e a prevenção do câncer no SUS”, pontuou. Luciana também lembrou da importância das mulheres na luta democrática do Brasil atual.

“É uma pena que num dia de celebração como hoje tenhamos que lembrar que temos que reconquistar a democracia. Mesmo sem baionetas existe um ataque à democracia em curso. E precisamos resistir a mais esta ofensiva, sem desanimar. O futuro pertence a quem tem perspectiva, esperança e convicção de que esse Brasil tem jeito. Não tenho dúvida de que, apesar de terem tentado rasgar a Constituição, daremos a volta por cima. Os ideais da democracia prevalecerão”, finalizou.

Além do evento de hoje, que integra a programação comemorativa dos 30 anos da Constituição de 1988, o Dia Internacional da Mulher será lembrado em várias atividades na Casa, incluindo sessão solene na Câmara dos Deputados, que fará a entrega da Medalha Mietta Santiago. Entre as agraciadas está a pernambucana, mestra de Maracatu, Joana D’Arc, que foi indicada pela deputada Luciana Santos.

Bertha Lutz

O Diploma Bertha Lutz, criado em 2001, premia anualmente pessoas que tenham oferecido contribuição relevante à defesa dos direitos da mulher e questões de gênero no Brasil, em qualquer área de atuação. Um conselho de senadores composto por um representante de cada partido político com assento no Senado escolhe os agraciados entre os candidatos indicados.

Bertha Maria Julia Lutz foi uma bióloga e advogada paulista e é considerada uma das figuras mais significativas do feminismo e da educação no Brasil do século 20. Aprovada em um concurso público para pesquisadora e professora do Museu Nacional no ano de 1919, tornou-se a segunda brasileira a fazer parte do serviço público no Brasil.

Uma das principais bandeiras levantadas por ela era garantir às mulheres o direito de votar e de serem votadas, o que só ocorreria em 1933. Bertha Lutz foi eleita suplente para a Câmara dos Deputados em 1934. Em 1936 assumiu o mandato, que durou pouco mais de um ano. Ela faleceu em 1976, no Rio de Janeiro.

Agraciadas

Entre as homenageadas, estão as atuais senadoras Lídice da Mata (PSB-BA), Lúcia Vânia (PSB-GO) e Rose de Freitas (PMDB-ES) e a deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ).
Também receberão o diploma as constituintes Anna Maria Rattes (RJ, Beth Azize (AM), Bete Mendes (SP), Eunice Michiles (AM), Irma Passoni (SP), Lúcia Braga (PB), Maria de Lourdes Abadia (DF). Maria Lúcia de Mello Araújo (AC), Marluce Pinto (RR), Moema São Thiago (CE), Myriam Portella (PI), Raquel Cândido (RO), Raquel Capiberibe (AP), Rita Camata (ES), Sadie Hauache (AM), Sandra Cavalcanti (RJ). E, in Memoriam: Abigail Feitosa (BA), Cristina Tavares (PE), Dirce Tutu Quadros (SP), Márcia Kubitschek (DF), Rita Furtado (RO); Wilma de Faria (RN).

De Brasília;
Ana Cristina Santos
Com Agência Senado