Congresso Nacional faz homenagem aos 90 anos da Coluna Prestes

Congresso Nacional faz homenagem aos 90 anos da Coluna Prestes
Coluna Prestes1

Coluna Prestes1Entre as atividades que marcam os 90 anos da Coluna Prestes, a deputada Luciana Santos (PCdoB/PE), e o senador Inácio Arruda (PCdoB/CE), solicitaram a realização de uma sessão solene do Congresso Nacional para homenagear os combatentes e seu feito histórico. A audiência acontecerá neste 20 de maio, às 12 horas, no plenário Ulysses Guimarães da Câmara dos Deputados. 

 
 
Coluna Prestes1Entre as atividades que marcam os 90 anos da Coluna Prestes, a deputada Luciana Santos (PCdoB/PE), e o senador Inácio Arruda (PCdoB/CE), solicitaram a realização de uma sessão solene do Congresso Nacional para homenagear os combatentes e seu feito histórico. A audiência acontecerá neste 20 de maio, às 12 horas, no plenário Ulysses Guimarães da Câmara dos Deputados. 
 
Durante a mobilização para localizar parentes dos combatentes a equipe se deparou com uma agradável surpresa: a descoberta de um ex-combatente vivo e lúcido. Ezidro Pires, hoje com 104 anos, seguiu com a Coluna aos 13 anos de idade. Por ser muito jovem sua tarefa era cuidar dos cavalos. Ele também será homenageado durante a solenidade em Brasília. 
 
Confirmaram presença a esposa de Luís Carlos Prestes, Maria Prestes; o neto de Miguel Costa, Yuri Abyaza Costa; o primo de Cezário Pires, Nelson de Almeida Persigo; Tatiana Lins de Barros, neta de João Alberto Lins de Barros; e a neta de João Cabanas, Letícia Cabanas. A historiadora Marly Vianna também é presença confirmada. 
 
Como parte das mobilizações para a solenidade, escolas de Brasília estão sendo visitadas pela neta de Luís Carlos Prestes, Ana Prestes, para conversar sobre a marcha histórica e para fazer o convite aos alunos para que participem do evento. Após a sessão solene, a Comissão de Cultura abrirá a exposição 90 anos da Coluna Prestes no Espaço Mário Covas, da Câmara dos Deputados. 
 
A Coluna Prestes – Miguel Costa 
 
A Coluna Miguel Costa – Prestes, que mais tarde viria a ser conhecida apenas como Coluna Prestes — foi o ápice do movimento tenentista no Brasil. Entre 1922 e 1927 abalou os alicerces da República Velha e trouxe ventos de renovação à sociedade e à política brasileiras. 
 
O movimento contou com lideranças das mais diversas correntes políticas, mas a maior parte do movimento era composta por capitães e tenentes da classe média. Deslocou-se pelo interior do país pregando reformas políticas e sociais e combatendo o governo do então presidente Artur Bernardes e, posteriormente, de Washington Luís.
 
Em sua marcha pelo Brasil, os integrantes da Coluna Prestes – aproximadamente 1.500 combatentes, dias quais 50 mulheres – denunciavam a pobreza da população e a exploração das camadas mais pobres pelos líderes políticos. 
 
Suas vitórias só foram possíveis graças às inovações militares trazidas pela Coluna – especialmente por Prestes. A chamada “guerra de posições” – “guerra de guerrilhas” – que mais tarde seria usada com sucesso por revolucionários de outros países. Isso permitiu que os rebeldes, em minoria e mal armados, escapassem dos inúmeros cercos impostos pelo exército brasileiro, que adotava táticas tradicionais copiadas da Europa, e permanecesse invicta.
 
Entre os comandantes da Coluna, estavam – além de Prestes e Miguel Costa – Siqueira Campos, Juarez Távora, João Alberto, Cordeiro de Farias e Djalma Dutra. Alguns deles se tornariam importantes lideranças políticas e militares nos governos pós-revolução de 1930.
 
De Brasília;
Ana Cristina Santos