Entrevista: Tentativa de golpe conflagrará o país, afirma Luciana

Entrevista: Tentativa de golpe conflagrará o país, afirma Luciana

Em entrevista ao Portal Vermelho após encontro com a presidenta no Palácio do Planalto, nesta terça-feira (15), a presidenta nacional do PCdoB e deputada federal Luciana Santos (PE) deu o tom da disposição de luta do partido na defesa da democracia e do mandato legítimo de Dilma.

Por Dayane Santos
Para o Portal Vermelho
Stuckert Manifesto
A presidenta nacional do PCdoB, Luciana Santos, durante encontro com Dilma, nesta terça (15), no Palácio do Planalto. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

A presidenta nacional do PCdoB, Luciana Santos, durante encontro com Dilma, nesta terça (15), no Palácio do Planalto “Não vamos aceitar golpe. Esse país vai entrar num processo de conflagração e nós estaremos na trincheira, defendendo o legado de um projeto para o país que inclui as pessoas, que democratizou na prática e garantiu avanços significativos na vida das pessoas”, garantiu Luciana que, juntamente com líderes da base aliada, entregou manifesto em apoio a Dilma.

Sobre o encontro, Luciana frisou que as lideranças e os partidos foram levar à presidenta Dilma o apoio na perspectiva de enfrentar qualquer tipo de golpe contra o seu mandato.

“É preciso respeitar a democracia. Respeitar uma presidenta que fez a disputa eleitoral em outubro do ano passado, foi eleita com 54 milhões de votos para um mandato de quatro anos”, disse. “Nós, comunistas, sabemos o que é a ausência de democracia no Brasil e não vamos permitir qualquer retrocesso”, advertiu.

Para a dirigente comunista, o país assiste ao que há de “pior na oposição”, que tenta, “sem nenhuma justificativa ou base jurídica”, interromper o governo legitimamente eleito. Luciana frisou que o impeachment tem previsão constitucional, mas desde que tenha elementos. “Não pode ser a conjuntura econômica adversa ou baixa adesão popular a justificar que se rasgue a Constituição e viole a democracia brasileira”, asseverou.

Recompor a base de apoio no Congresso

Luciana destacou a resolução da Comissão Política Nacional do PCdoB, divulgada nesta segunda-feira (14), que apontou as tarefas para organizar a contraofensiva, diante da tentativa de golpe em curso. De acordo com ela, é necessário consolidar a base política ampla que dá sustentação ao governo de coalizão e, assim, aprovar o conjunto de medidas para a retomada do desenvolvimento.

“Acreditamos que o PMDB tem papel fundamental nesse esforço de aprovação. Isso num debate democrático, construído com muitas mãos, pois só assim é possível construir uma agenda para o Brasil que concilie as necessidades de ajuste, estabilidade econômica e política, tirando o país da recessão”, declarou.

A presidenta do PCdoB alertou para a conjuntura política grave, que tem como consequência a situação econômica de singularidades brasileiras, mas com origem na crise do mundial, que explodiu no berço do capitalismo com consequências para todo o mundo.

“Desde 2008, do governo Lula ao governo Dilma, o Brasil tem tomado medidas no sentindo de manter o crescimento e o emprego através de medidas anticíclicas. Houve todo um redirecionamento no sentido de aquecer o mercado interno, mantendo a política de reajuste do salário mínimo e a desoneração de vários setores econômicos para manter a atividade produtiva”, lembrou a parlamentar, ressaltando que o momento atual exige uma readequação.

“O ajuste não é para ficar, é temporário. São medidas necessárias para criar novas condições para a retomada do crescimento e ampliação das conquistas dos programas sociais, que têm sido tão importantes para o processo de inclusão do povo brasileiro”, disse.

Ajuste no andar de cima, não contra o povo

Luciana reafirma que o PCdoB tem uma posição clara de defesa do mandato, no entanto, salientou que essa defesa vem acompanhada de um conjunto de propostas que possa dar resposta aos anseios da população e retomar o desenvolvimento econômico do país.

“Acreditamos que é preciso dar perspectivas ao povo brasileiro. Sair da pauta apenas do ajuste, ou melhor, qualificar esse ajuste. Levar o ajuste para o andar de cima. Para o rentismo e o mercado financeiro”, explicou a líder comunista, citando, como exemplo, a taxação das grandes fortunas e a repatriação de renda que foi colocada no exterior, fazendo com que seja devolvida ao país, com multa.

“Um conjunto de medidas que significam arrecadar sem penalizar o trabalhador e o povo brasileiro, que já têm sofrido com os efeitos dessa crise”, defendeu Luciana Santos.

Segundo ela, a atual “política monetária já deu o que tinha que dar” e está levando o país “a um contracionismo muito grande” que tem levado os ajustes a um paradoxo. “Faz o ajuste, mas a sensação é de enxugar gelo: de um lado bota e de outro se tira. É preciso ter foco no desenvolvimento”, acrescenta.

Papel da militância

Ela conclui conclamando a militância do partido a fortalecer o “debate de ideias à altura das necessidades do momento”. De acordo com Luciana, é preciso explorar as contradições e resgatar, por meio de comparações, como era o Brasil antes de 2002.

“Quando se fala em risco Brasil, por exemplo, de 1994 a 2002, ou seja, incluindo os oito anos do governo Fernando Henrique, o risco Brasil era muito pior do que é na atualidade. E foi Lula, em 2008, que tirou esse risco Brasil”, lembrou.

E finaliza: “A nossa militância deve atuar nas redes sociais, fortalecer o papel das frentes de luta que participa e fazer um grande esforço pela amplitude. Temos no seio dos movimentos sociais e no âmbito das forças políticas, muitas divergências, muitas contradições. Agora, o que está em jogo é a democracia brasileira, caso contrário veremos interrompido – a exemplo do que aconteceu em outros momentos da história, como nos governos de João Goulart e Getúlio Vargas –, um projeto para o pais, um projeto que inclui as pessoas, que democratizou na prática e garantiu avanços significativos na vida das pessoas”.

Do Portal Vermelho