Janeiro de Grandes Espetáculos faz festa para encerrar edição memorável

Janeiro de Grandes Espetáculos faz festa para encerrar edição memorável
janeirogdesespetaculos

janeirogdesespetaculos

Sou fã do Janeiro de Grandes Espetáculos, uma iniciativa digna de apoio e que merece todo nosso esforço para que continue a crescer e se fortalecer como um dos festivais mais organizados e estruturados do país. Compartilho com vocês essa bela matéria do jornalista Bruno Albertim. Aproveitem.

Grande beijo. Luciana.

Sou fã do Janeiro de Grandes Espetáculos, uma iniciativa digna de apoio e que merece todo nosso esforço para que continue a crescer e se fortalecer como um dos festivais mais organizados e estruturados do país. Compartilho com vocês essa bela matéria do jornalista Bruno Albertim. Aproveitem.

Grande beijo. Luciana.

janeirogdesespetaculos

Festival entregou também troféus aos melhores do teatro e da dança em plena Rua da Aurora
Bruno Albertim

Na última quinta, as salas de espetáculo estavam especialmente vazias: a classe teatral ocupou o trecho da Rua da Aurora em frente ao Ginásio Pernambucano. Com o mestre de cerimônias Roger de Renor, que armou ali o som da sua rural, militantes das artes cênicas receberam os troféus de mais uma edição do Prêmio Apacepe, durante o encerramento do 20º Janeiro de Grandes Espetáculos – edição que consagra o festival como um dos mais bem concebidos e estruturados do País. “Foi um mês de muita intensidade nos teatros, é muito bom ver os colegas, artistas, assim, ocupando o espaço público”, dizia Ceronha Pontes, premiada como Melhor Atriz pela (excelente) Camille Claudel – peça que, passado o festival, entra na fila das produções “sem-teto”, em busca de pauta num teatro local.

Não faltou, na cerimônia, o tom político: “Festivais são ótimos”, disse o homenageado Jomard Muniz de Britto. “Mas me preocupo mesmo é com o dia a dia. Há um pequeno grande escândalo na cidade: o Teatro do Parque fechado. Alguém precisa dizer a GJ (o prefeito Geraldo Julio) que o Recife precisa ter o Parque de volta.” Sim, festival é bom e esta 20ª edição do Janeiro deve, sem esforço, ser classificada como memorável.

Com o orçamento apertado e incerto, os produtores Carla Valença, Paula de Renor e Paulo de Castro bailaram no fio da navalha e fizeram uma maratona grandiosa: mais de 60 espetáculos – locais, boas produções nacionais e internacionais.

Com sessões extras, ingressos populares e venda pela internet, o festival teve um aumento de 30% de público: com a programação ainda em cartaz até amanhã, em Goiana, são até agora 31 mil espectadores. Com patrocínios não confirmados, a produção teve que fazer ajustes no orçamento de R$ 1,6 milhão para R$ 1,2 mi. “Em alguns momentos, tivemos que arriscar e fazer milagres”, diz Carla Valença (leia entrevista abaixo).

Um dos méritos do festival foi a interiorização de bons espetáculos. Sem a política de esmolas, as cidades de Goiana, Arcoverde e Caruaru receberam peças até internacionais. O outro está na própria grade: a curadoria extensiva e criteriosa. Como membro da rede de Festivais de Teatro do País, os produtores conseguiram se revezar ao longo do ano para trazer produções raras como a escocessa Se esses espamos falassem e afiadas como a carioca A primeira vista.A presença de curadores desses festivais garantiu também visibilidade e convites às produções locais.

A grade foi como deve ser num festival tão heterogêneo: altos e baixos. Se teve decepções como A Negra Felicidade, de Moacir Goés, trouxe pontos altíssimos como delicada comédia cearense Avental Sujo de Ovo e performances delciosamente intimistas como Adaptação (RS).

Outro trunfo foi ter servido de plataforma para estreia de bons espetáculos locais. “O Janeiro nos dá tudo o que um ator quer pra uma estreia: teatro cheio, público, e o olhar externos dos curadores”, disse Júnior Aguiar, premiado como o melhor espetáculo por H(EU)história – O Tempo em transe, sobre a relação de Glauber Rocha com a história. Ao lado de Terra, espetáculo de dança de Maria Paula Costa Rêgo, a peça sai do festival como uma das potências que bombarão nas temporadas regulares ao longo do ano.

Fonte: Jornal do Commercio