Luciana defende a pluralidade da comunicação no país

Luciana defende a pluralidade da comunicação no país
thumbnail_1358538192.jpg

thumbnail_1358538192.jpg

"A mídia brasileira precisa de pluralidade", afirma a deputada em entrevista ao programa Conexão Jornalismo

resize_1358538192.jpg

 A deputada federal Luciana Santos (PCdoB/PE) é uma brava. E não é exagero dizer que ela deva estar recoberta com uma proteção para protegê-la durante a invasão de vespeiros. A parlamentar é uma das representantes da Comissão que trata da distribuição de verba publicitária e incentivo para a criação de mídias alternativas no país, num setor hoje ocupado exclusivamente pelos grandes grupos de Comunicação. Para ela, embora difícil, esta luta pode representar o primeiro suspiro em um modelo de mídia excludente por não contemplar a diversidade da informação e das culturas regionais.
 
Reunida em dezembro com Renato Rovai, presidente da Associação Brasileira de Empresas e Empreendedores da Comunicação (Altercom), Luciana disse que o encontro serviu principalmente para que as demandas do setor fossem expostas e tornadas públicas. Para ela, enquanto a verba oficial servir apenas aos grandes grupos de comunicação, em detrimento de novas propostas e posicionamentos nos campos sociais e políticos, o país não avançará: “é um modelo empregado aqui que remete há períodos onde a distribuição de canais de rádio e tv não obedeciam a critérios técnicos, mas meramente políticos”, disse, numa referência ao jornalista Assis Chateaubriand: “eram mais de 200 canais de TV e rádio sob uma mesma tutela e compromisso político e econômico!”
 
Este ano o processo vai transitar na Subcomissão que trata do assunto e é esperado que até o final do período legislativo já haja mudanças previstas no compo da pluralidade da Comunicação no país.