Luciana luta pela ampliação das mulheres nos espaços de poder

Luciana luta pela ampliação das mulheres nos espaços de poder
newslatter

newslatter

Única mulher da Bancada de Pernambuco no Congresso Nacional, a deputada Luciana Santos luta pela ampliação das mulheres nos espaços de poder desde seu primeiro ano de mandato. Entre outras atividades participou das campanhas “Mulher, Tome Partido” e “Mulher na Política”, como forma de ampliar o alcance do debate sobre a participação feminina nos Parlamentos.

Durante o ato “Somos todas mulheres de Tejucupapo”, a parlamentar apresentou uma plataforma de políticas para as mulheres e fez a defesa de uma Reforma Política, com lista fechada e alternância de gênero para garantir, de forma efetiva, a participação de mais mulheres nas Câmaras, Assembleias Legislativas e no Congresso Nacional, além dos espaços do Poder Executivo.

A deputada Luciana lembra que o Brasil tem a menor taxa de participação feminina da América Latina, com menos de 9% na Câmara e 12% no Senado. Para ela, essa pequena participação não corresponde ao papel que a mulher desempenha atualmente na sociedade. “Nós cumprimos um papel decisivo, na construção do país, no entanto, não temos espaços na tomada de decisões dos rumos do país. E, por isso, é necessário a gente fazer esse enfrentamento”, argumenta.

A campanha “Mulher, Tome Partido” foi uma ação de incentivo a filiação de mulheres a partidos políticos. A atividade foi organizada pela Bancada Feminina, Procuradoria Especial da Mulher da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, com apoio de organismos internacionais como a Organização das Nações Unidas – ONU e a Secretaria de Política para as Mulheres da presidência da República.

Acesse aqui o livreto cartilha “Mulher, Tome Partido”

Outra campanha importante que contou com a articulação da Bancada Feminina e a participação da deputada Luciana Santos foi a “Mulher na Política” do Tribunal Superior Eleitoral – TSE. AO material de divulgação era composto por vídeo, spot e cartazes para estimular as mulheres a candidatarem-se a cargos eletivos neste ano. “Todo poder à mulher e a esperança de um Brasil mais equilibrado”, foi com essas palavras que o presidente da Corte, Marco Aurélio, marcou o lançamento da atividade.

Embora atividades de estímulo sejam importantes, Luciana acredita que só a  Reforma Política pode mudar o quadro de sub-representação das mulheres nas esferas de poder. O financiamento privado das campanhas é um dos empecilhos para ampliar a participação feminina. Entre os candidatos, as mulheres estão entre os que possuem a menor arrecadação. Em 2010, o valor arrecadado não atingiu os 30%. Entre outras razões, este é um dos motivos pelos quais a deputada defende o financiamento público de campanha.

A proposta de lista fechada com alternância de nomes de homens e mulheres é outra proposta que conta com o apoio de Luciana e integra a Plataforma de Política para as Mulheres, apresentado no ato “Somos Todas Mulheres de Tejucupapo”. A proposta além de garantir de forma efetiva a participação das mulheres também estimula o debate de ideias com o fortalecimento dos partidos.

Veja aqui a Plataforma de Políticas Públicas para as Mulheres

Texto – Fabiane Guimarães

Foto – Richard Silva