Luciana na CBN Recife: A prisão de Lula é mais uma etapa que visa interromper qualquer perspectiva de se ter um projeto nacional e popular no Brasil.

Luciana na CBN Recife: A prisão de Lula é mais uma etapa que visa interromper qualquer perspectiva de se ter um projeto nacional e popular no Brasil.

Em entrevista a Rádio CBN Recife, na tarde de ontem (9), a deputada federal Luciana Santos (PCdoB/PE) falou com o apresentador Aldo Vilela, sobre as perspectivas sobre as eleições no Brasil, pós-prisão de Lula.

Para Luciana, a prisão do ex-presidente se trata de mais uma etapa do golpe, que visa interromper qualquer perspectiva de se ter no Brasil um projeto nacional e popular. “Essa inelegibilidade e prisão de Lula, nunca a meu ver foi por questão de combate a corrupção. Mas sim por motivação de natureza política, porque essa caçada ao Lula se dá há muitos anos, mas principalmente num momento mais recente, a partir do impeachment fraudulento da presidenta Dilma”, lembrou.

“As forças que construíram lá atrás o impeachment da presidenta Dilma, não construíram alternativas até agora. Estão todos enrolados. Ninguém cresce nas pesquisas”, disse Luciana.

Para ela, o legado que Lula representa vai ganhar muita força nesses primeiros momentos e que já está havendo e haverá ainda mais consternação e comoção. “Mesmo para aqueles que acham que Lula tem culpa no cartório, elas pensam o porquê de só ele (ter sido condenado dessa forma)? Porque com os outros envolvidos não tem comparação com o simbolismo que Lula tem”, afirmou.

Democracia

Apesar de todo o cenário adverso, Luciana tem esperança de que as eleições sigam o caminho da democracia. “Precisamos fazer o debate de idéias no sentido de garantir que nas eleições de outubro, prevaleça o debate programático sobre o país. E que assim possamos fazer esse embate da maneira mais democrática possível, que é a forma legítima e que garante a vontade popular”.

Pernambuco

Já em Pernambuco, Luciana vê a cristalização de um cenário polarizado, mesmo com a rearticulação da ‘União por Pernambuco’. “Tendo a achar que aqui caminhamos para uma polarização e até junho essas coisas vão se desenvolver muito. Ainda existem muitos fatos que podem surgir no processo”, finalizou.

Do Recife,
Rodrigo Barradas.

Escute a entrevista