Luciano Siqueira: Arraes e as opções eleitorais conflitantes

Luciano Siqueira: Arraes e as opções eleitorais conflitantes
siqueirinha

siqueirinhaClaro que toda opção, seja qual for a matéria em pauta, implica conflito. A referência a Miguel Arraes, nesse caso, vem a propósito – no dizer dele – da ruptura com estruturas institucionalizadas quando estas não correspondem aos anseios das ruas. A opção feita pela burocracia partidária do PMDB do Recife, por meio de convenções viciadas, no pleito municipal de 1985, impunha a candidatura do deputado Sérgio Murilo, apoiado em segmentos conservadores e da direita da cidade, enquanto os grupos de esquerda e progressistas alojados na legenda peemedebista – partidos então proscritos, inclusive – se perfilavam em torno da candidatura de Jarbas Vasconcelos, à época filiado temporariamente ao PSB e aliado da esquerda.

Em outras palavras, o que Arraes propunha – e que vingou na prática – era a mobilização da militância e do povo pela base, à revelia das decisões formais.

Caso semelhante ocorre agora. A candidata derrotada Marina Silva, da Rede, e o PSB no qual ela está momentaneamente abrigada, tomam partido na disputa Dilma x Aécio não necessariamente em sintonia com o sentimento de expressiva parcela de suas bases. O apoio público dos próceres dessas legendas tem, certamente, alguma importância, porém decisivo mesmo será o comportamento espontâneo do eleitorado, especialmente o segmento classificado como C, que além de decisivamente numeroso, exerce marcante influência sobre os segmentos D e E.

Dos mapas do pleito no primeiro turno ressalta a clara dicotomia entre a base social da presidenta Dilma Rousseff, assentada no povo, nos trabalhadores e nas camadas mais pobres da população; a que se contrapõe a base do tucano Aécio Neves, que se apóia fundamentalmente nos ricos, em parcelas expressivas da denominada classe média alta, com forte presença da oligarquia financeira e do complexo monopolista midiático.

Daí se depreende que o campo real da batalha não está na mídia, nem no pronunciamento de lideres e legendas. Está no embate de ideias (com destaque para as redes sociais), tornando claras as diferenças essenciais e absolutamente antagônicas entre as propostas programáticas de Dilma Rousseff e do seu oponente Aécio Neves e na mobilização do povo.

Cumpre defender o legados dos governos Lula e Dilma, sobretudo as notáveis conquistas sociais e a afirmação do Brasil como nação soberana, e avançar no rumo de novas conquistas de maior envergadura.

Texto – Luciano Siqueira

Foto – Folha PE