Lula: Eles acenderam em mim a chama de que a luta continua

Lula: Eles acenderam em mim a chama de que a luta continua

O ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva falou à imprensa no começo da tarde desta sexta-feira (4/03), na sede do PT nacional, em São Paulo. “Acho que estamos vivendo um processo onde a pirotecnia vale mais que qualquer coisa. O que vale mais é o show midiático do que a apuração séria, responsável que deve ser feita pela Justiça”, denunciou Lula.

No início da manhã Lula atendeu a um mandato de condução coercitiva — recurso utilizado para obrigar uma pessoa a depor — e prestou depoimento durante cerca de quatro horas, no posto da Polícia Federal no aeroporto de Congonhas, zona sul da capital paulista. “Era só ter mandado eu vir. Sempre fui prestar esclarecimento, porque não devo e não temo.”, disse Lula.

Em pronunciamento a deputada Luciana Santos, presidenta nacional do PCdoB denunciou o caráter arbitrário da ação, na medida em que Lula nunca se negou a prestar qualquer depoimento. “O presidente Lula nunca se recusou a dar qualquer esclarecimento sobre as acusações que são feitas contra ele, ele já prestou vários depoimentos à polícia federal, livremente e tem esclarecido a qualquer autoridade instituída todas as denúncias que pairam sobre ele”, argumentou.

“Isso não tem nada a ver com combate a corrupção, há uma articulação da direita conservadora do nosso país junto com essa operação midiática, para criar um verdadeiro espetáculo e acelerar um golpe político que está em marcha no Brasil”, denunciou Luciana que acompanhou a entrevista coletiva ao lado do ex-presidente Lula.

Durante a coletiva Lula afirmou que os resultados das políticas desenvolvidas pelos governos do PT incomodam a elite brasileira. “Eu só consigo entender uma explicação para tudo isso. Não há outra coisa para incomodá-los a não ser a gente ter trabalhado todos esses anos para fazer as pessoas do andar baixo subirem um degrau na perspectiva do andar de cima”, declarou.

O ex-presidente afirmou que está disposto a percorrer o país e chamou sindicatos, partidos e movimentos sociais para mobilizar o povo no sentido de defender o projeto político que beneficiou milhares de brasileiros. “Eles acenderam em mim a chama de que a luta continua. A partir da semana que vem, me convidem que eu estarei disposto a correr o país para mobilizar o povo.”

De Brasília;
Ana Cristina Santos

Foto: Paulo Pinto/FotosPúblicas