Marcelino: "Elevar o nível da Ciência em PE é um desafio"

Marcelino: "Elevar o nível da Ciência em PE é um desafio"
thumbnail_1363789131.jpg

thumbnail_1363789131.jpg

 

resize_1363789131.jpg

O secretário estadual de Ciência e Tecnologia, Marcelino Granja, deu início, na manhã desta terça-feira (19), ao Ciclo de Palestras e Debates sobre Inovação Tecnológica, promovido pelo Clube de Engenharia de Pernambuco.
 
A abertura do Ciclo, que irá promover diversos debates durante o ano de 2013, ocorreu no Auditório do Centro de Tecnologia e Geociências da UFPE, com a presença de professores, pesquisadores, engenheiros e alunos da UFPE e Universidade de Pernambuco, parceiras do evento.
 
Marcelino Granja abriu sua palestra, intitulada Inovação em Pernambuco, falando da importância da importância de um pacto em torno de um projeto nacional de desenvolvimento para inserir o Brasil no conselho mundial das nações de forma soberana. “Não existe um sistema de Inovação forte sem um projeto nacional de desenvolvimento”, destacou para logo depois afirmar que a democracia educacional também deve ser vista como prioridade.
 
“Uma educação que atenda a todas as classes sociais e promova a qualificação de todos sem distinção”, observou.
 
Em seguida, o secretário tratou os esforços do Governo do Estado para acelerar, nas próximas décadas, a área da Ciência, Tecnologia e Inovação em Pernambuco através de iniciativas da Secretaria e de seus órgãos vinculados. Marcelino destacou os desafios prioritários para aprimorar a base de professores, doutores e engenheiro no Estado, interiorizar a UPE, aumentar as atividades de CT&I ligadas energias limpas e criar e consolidar ambientes e atividades de PD&I voltados para as empresas do Estado, como o ParqTel, o Porto Digital e os centros tecnológicos de Fármacos e Biociências e Metal Mecânica.
 
Cultura cientítica
 
Ele citou a criação da Empresa Pernambucana de Comunicação, do Centro de Inteligência Competitiva e a promoção de programas de inclusão digital e acessibilidade tecnológicas. Falou ainda da disseminação da cultura científica, dos investimentos para aumentar o número de empresas de base científica e tecnológica e da criação de redes integradas de CT&I e CVT“s voltadas para os setores produtivos. 
 
Marcelino lembrou o aumento dos recursos investidos pela Facepe, que saltou de uma média de R$ 6 milhões ao ano, antes de 2006, para cerca de 70 milhões anuais, atualmente. Destacou a interiorização da UPE e o investimento na reestruturação dos hospitais estaduais ligados aquela instituição de ensino. 
 
Lembrou ainda do Programa Universidade para Todos em Pernambuco (Proupe), que está garantido o pagamento de mensalidades para 9 mil alunos de 13 autarquias municipais de ensino espalhadas pelo Estado, contribuindo decisivamente para a formação desses alunos, principalmente dos cursos de Matemática, Física e Química, um antigo déficit em Pernambuco.
 
“Um dos desafios prioritários desse Governo é elevar o patamar da Ciência e Tecnologia de Pernambuco para um outro muito mais elevado do que o encontrado aqui em 2006”, disse.
 
Investimentos em C&T
 
O coordenador do Ciclo de Palestras e Debates sobre Inovação em Pernambuco, engenheiro Valêncio Guedes Pereira, disse que a intenção do Ciclo de Debates será a de mostrar para a sociedade a importância dos investimentos em ciência, tecnologia e inovação.
 
“Só com a aplicação do com conhecimento poderemos solucionar alguns gargalos estruturais e abrir o País para o desenvolvimento. Queremos, com esses encontros, reunir o conhecimento, identificar as demandas da sociedade e propor investimentos em pesquisas”, concluiu. 
 
Fonte: SectecPE
Foto: Evane Manço/SectecPE