Missa abre processo de beatificação e canonização de Dom Hélder Câmara

Missa abre processo de beatificação e canonização de Dom Hélder Câmara
MIssaDomHelder

MIssaDomHelder

O processo para a beatificação e canonização de dom Hélder Câmara teve início, oficialmente, no último domingo (3), com uma missa presidida por dom Fernando Saburido, arcebispo de Olinda e Recife (PE), na catedral do Santíssimo Salvador do Mundo, em Olinda. 

A deputada Luciana Santos participou da missa onde foi constituído o tribunal religioso que escutará as pessoas que tiveram convivência mais próxima com Dom Helder. “Ele é um símbolo de luta contra a pobreza, dedicou sua vida ao combate às injustiças e à construção da democracia. Um exemplo de humildade, de simplicidade e de coragem”, comentou a deputada.

O tribunal é formado por cinco membros – juiz delegado e promotor de justiça (ambos canonistas), notário, notário adjunto e cursor, que fizeram seus juramentos na missa do domingo. Ao final do processo os depoimentos, ouvidos de forma sigilosa, serão encaminhados para o Vaticano.

“A santidade consiste em enfrentar os desafios na fé, os desafios da vida. Dom Hélder enfrentou os desafios de maneira maravilhosa. Especialmente quando ele desenvolveu a doutrina da não violência evangélica, que fez tanto bem às pessoas e desarmou tanta gente também”, afirma dom José Maria Pires, arcebispo emérito da Paraíba, que será um dos ouvidos.

Sobre o processo

Uma comissão histórica atuou durante o pedido de abertura do processo, concluído em maio de 2014. Em fevereiro, a arquidiocese recebeu o aval da Santa Sé ratificado por meio de carta enviada pelo prefeito da Congregação Causa dos Santos, cardeal dom Ângelo Amato – a carta só chegou no início de abril ao estado.

A partir de agora, o tribunal passa a ouvir sigilosamente os depoimentos sobre dom Hélder, tanto no Recife, quanto no Rio de Janeiro e demais locais por onde o religioso passou. A fase de depoimentos deve levar em torno de um ano. Então, é elaborado um ‘Positio’, um documento em que consta todos os relatos e estudos sobre o candidato a santo, onde há ainda uma biografia documentada. Assim que aprovado, o papa concede o título de Venerável Servo do Senhor.

Depois desta etapa, é necessário que se prove que houve um milagre intercedido por dom Hélder, para que ele seja considerado beato. Um segundo milagre é necessário quando ele já for considerado beato, para que seja então canonizado como santo da Igreja Católica.

Sobre dom Hélder Câmara

Dom Hélder Câmara nasceu em 7 de fevereiro de 1909, em Fortaleza, e teve 12 irmãos. Após entrar muito jovem no seminário da capital do Ceará, se tornou padre aos 22 anos. O conhecido “dom da Paz” recebeu diversos prêmios pelo trabalho em defesa dos direitos humanos.

Foi um dos fundadores da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil e grande defensor dos direitos humanos durante o regime militar no Brasil. Pregava uma Igreja simples, voltada para os pobres, e a não-violência. Por sua atuação, recebeu diversos prêmios nacionais e internacionais. Foi o único brasileiro indicado quatro vezes ao Prêmio Nobel da Paz.

Dom Hélder morreu no Recife em 27 de agosto de 1999.

De Brasília;
Ana Cristina Santos
Com Agências

Foto: Jan Ribeiro