PCdoB repudia afronta à soberania da Venezuela por comitiva do Senado

PCdoB repudia afronta à soberania da Venezuela por comitiva do Senado
image

image

 A presidenta nacional do PCdoB, Luciana Santos e o secretário de Relações Internacionais, Ricardo ‘Alemão’ Abreu, editaram nota, nesta sexta-feira (19) em repúdio a afronta à soberania da Venezuela protagonizada, nesta quinta-feira (18), por parlamentares oposicionistas e de direita.

Leia a íntegra da nota abaixo:

PCdoB repudia afronta à soberania da Venezuela por parte de senadores brasileiros liderados por Aécio Neves (PSDB) 

No dia de ontem, 18 de junho, uma comitiva de senadores brasileiros protagonizou um dos mais vexatórios capítulos da ação de política externa da direita parlamentar brasileira. Liderados pelo senador Aécio Neves (PSDB), em viagem à capital da Venezuela, Caracas, se reuniram com opositores ao governo de Nicolás Maduro e alegaram terem sido agredidos por apoiadores do governo venezuelano durante seu trânsito terrestre interno na cidade, após a saída do aeroporto.

A visita da comitiva de senadores, da maneira como foi conduzida, foi uma afronta à Venezuela, por desrespeitar sua soberania política e ficou claro depois que seu verdadeiro propósito era tentar ganhar dividendos políticos domésticos no Brasil.

Tais parlamentares não foram convidados pelo governo ou Parlamento Venezuelano, mas disseram terem sido convidados por setores oposicionistas e representantes da sociedade civil organizada do país. Mesmo nesta condição, desde o princípio demandaram do governo brasileiro todo apoio para seu deslocamento e segurança, e foram prontamente atendidos. Ao chegarem a Caracas e desembarcar, foram recebidos e acompanhados pelo embaixador brasileiro e protegidos pela polícia venezuelana, e enfrentaram o tradicional tráfego intenso da cidade e protestos espontâneos de alguns cidadãos defensores do governo Maduro.

Percebendo que não teriam êxito em alegar falta de apoio do governo brasileiro, e sem perspectiva de notabilidade maior sobre a visita, aproveitaram a desinformação que havia no Brasil, inclusive no Senado Federal e na Câmara dos Deputados e exageraram na “denúncia” de que teriam sido agredidos no trânsito de Caracas para ganhar a visibilidade da imprensa e apoio dos demais parlamentares brasileiros. Nossa Líder na Câmara dos Deputados, Jandira Feghali, chegou a solicitar o adiamento da votação de uma moção proposta por um deputado do PSDB sobre o caso, até que houvesse mais informação sobre o caso, mas sua proposta não foi acatada.

Algum tempo depois do ocorrido, apurados os fatos, está evidente que o expediente utilizado foi um “factóide”. Se houve alguma agressão nesse episódio foi uma agressão à soberania de um país vizinho, com o qual o Brasil tem franca e fraternal relação.

O PCdoB repudia tanto a motivação da visita da comitiva de senadores liderada por Aécio Neves (PSDB), quanto a farsa em torno de uma suposta agressão sofrida por seus membros, em busca dos holofotes da imprensa e das manifestações do Parlamento brasileiro, que obviamente se solidariza com seus pares quando alguma agressão verdadeira ocorre contra eles, ou quando lhes chega a informação de que a agressão existiu.

Aécio Neves (PSDB) e os demais senadores convidados pela oposição venezuelana foram a Caracas, mas com as atenções voltadas para a repercussão da visita no Brasil, pois sabiam da cumplicidade da mídia monopolista em seu país. O pequeno grupo de senadores liderados por Aécio Neves (PSDB) não representam o Brasil e os brasileiros com essa atitude.

Enquanto isso, a América do Sul caminha para sua integração solidária, com respeito à democracia e à soberania de cada nação.

Luciana Santos
Presidenta Nacional do PCdoB

Ricardo Alemão Abreu
Secretário de Relações Internacionais do PCdoB