PE: Atos pedem reforma política democrática e defesa da Petrobrás

PE: Atos pedem reforma política democrática e defesa da Petrobrás
Luciana13deMarço
Deputada Luciana fala no ato do dia 13 de março em Recife. Foto: Assessoria

Na manhã da sexta-feira (13), milhares de pernambucanos foram às ruas em passeatas pela defesa da democracia, por uma reforma política ampla e democrática e em defesa da Petrobrás. Outras pautas a exemplo do fim das medidas provisórias 664 e 665, que determinam novas regras para acesso a benefícios previdenciários como, por exemplo, Abono Salarial, Seguro Desemprego e Auxílio Doença; do pedido de uma constituinte para a reforma política também fizeram parte do repertório de reivindicações.

Em Recife a concentração começou às 7h no Parque 13 de Maio e a passeata seguiu pela Rua do Hospício até a Avenida Guararapes, se encerrando por volta das 12h. De acordo com a Central Única dos Trabalhadores (CUT), uma das organizadoras do movimento, cerca de 3 mil pessoas participaram do ato, que ocorreu de forma pacífica e sem registro de incidentes.

A deputada Luciana Santos participou da passeata e falou aos presentes. Ela ressaltou que é importante apurar as denúncias de corrupção e punir os culpados. Disse ainda que o debate precisa se dar no campo do debate de ideias, respeitando a democracia. “Precisamos garantir as conquistas históricas que iniciaram com o Governo Lula, como por exemplo, o aumento do poder de compra, o acesso à universidade e o enfrentamento à desigualdade regional”, explicou.

A União Nacional dos Estudantes (UNE), o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), a Federação Única dos Petroleiros (FUP), e centrais sindicais como CTB e UGT, além da CUT, participaram da convocação da manifestação. Grupos de professores, o Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil e o Sindborracha também apoiaram o ato.

O fim do financiamento de empresas a campanhas eleitorais foi um dos pontos principais defendido pela entidade no que se refere à reforma política. As organizações também defendem: despersonificar o processo eleitoral, tirando o foco dos candidatos e valorizando as ideias, como a eleição pelo sistema de voto em lista no legislativo; mais participação popular, com ações afirmativas para inclusão de jovens, mulheres e negros na política institucional, com a aprovação da Política Nacional de Participação Popular (PNPS), fortalecimento dos conselhos populares e dos movimentos sociais.

Em Petrolina também houve manifestação organizada pelos movimentos sociais e sindicais, onde participaram cerca de 100 pessoas, de acordo com os organizadores. A concentração teve início às 7h30 na Praça do Bambuzinho, no centro da cidade, e seguiu com caminhada e panfletagem até as 11h.

Já em Caruaru cerca de 200 pessoas atenderam ao chamado do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Partido dos Trabalhadores (PT), Partido Comunista do Brasil (PCdoB), Central Única dos Trabalhadores (CUT), entre outras instituições. Nas duas cidades, assim como na capital, as reivindicações foram pelo enfrentamento à corrupção, por reforma política e por mais avanços e mais direitos sociais.

De Brasília;
Com Agências
Ana Cristina Santos