Política cultural avança, diz diretor da Bienal da UNE

Política cultural avança, diz diretor da Bienal da UNE
thumbnail_1358259771.jpg

thumbnail_1358259771.jpg

A oitava edição da Bienal da UNE acontece entre os dias 22 e 26 em Olinda e Recife

resize_1358259771.jpg

A oitava edição do principal festival estudantil da América Latina já está se aproximando. De 22 a 26 de janeiro, Olinda e Recife, abrigarão a 8ª Bienal da União Nacional dos Estudantes e sua efervescente produção cultural. Confira entrevista com o pernambucano Rafael Buda, coordenador do evento. 
 
Para todo festival engrenar, os preparativos contam com a colaboração e o entusiasmo do Circuito Universitário de Cultura e Arte da UNE (Cuca). Lançado na Bienal de 2001, o Cuca é um projeto de continuidade das iniciativas culturais da UNE, dentro das universidades brasileiras, para além das suas bienais. Trata-se de uma rede com núcleos em 12 estados, promovendo ações em diversas linguagens como audiovisual, artes plásticas, literatura, teatro e música.

""

Rafael Buda, do Cuca
 
Para explanar um pouco mais sobre a relação entre o Cuca e o festival estudantil, o coordenador geral, Rafael Buda, concedeu uma entrevista exclusiva ao site da UNE. Pernambucano, Buda deixa claro que essa edição da Bienal tem tudo para pesar uma tonelada.
 
Confira:
 
Qual a importância do Cuca na articulação pra 8ª Bienal? Como está acontecendo essa articulação?
 
Rafael Buda – Desenvolver o diálogo com esses estudantes e estimulá-los a participar dessa experiência única é a importância do Cuca para o projeto. Como articulação, estamos preparando caravanas por todo Brasil e estimulando as inscrições de trabalho nas mais diversas áreas para que todos cheguem afiados para participar de forma qualitativa dos debates sugeridos.
 
O que o Cuca está preparando pra Bienal?
 
Rafael Buda – Teremos momentos marcantes na Bienal: abertura, aula espetáculo e culturata. Serão eventos muito emocionantes. Teremos o ’’Espaço Cuca’’ que vai ficar em um local muito agradável no Parque do Carmo e pretende reunir os veteranos para travar um debate sobre os novos desafios e perspectivas do projeto, organizar novos coletivos de Cucas com os novos participantes, além de oficinas, atividades culturais e uma surpresa que só vai saber quem vier participar!
 
A cultura de Pernambuco estará em foco, já que é o estado sede do evento este ano?
 
Rafael Buda – Sem dúvidas, desde nosso homenageado, que é o grande Rei do Baião, até toda cultura rica e popular do estado de Pernambuco. Isso estará presente em toda Bienal em debates, oficinas, mostras, exposições, artistas convidados.
 
O Cuca nasceu durante a 2ª Bienal da UNE. Como você avalia o crescimento do circuito ao longo desses 11 anos dentro do evento?
 
Rafael Buda – Hoje estamos passando por outro momento da nossa rede, de mais formulação e articulação dos nossos projetos. Somos Pontos de Cultura, Pontão de Cultura, Agente Escola Viva, Tuxauas, membros do Conjuve e da Comissão Nacional dos Pontos de Cultura. Tudo isso nos credencia para que consigamos dar passos mais largos. Estamos na fase final da elaboração do Plano Nacional de Cultura e Educação para a prática de Extensão. Observamos hoje que existe essa lacuna e que universidade e a troca de saberes são nossos lócus. Devemos assim, através dos projetos de extensão, desenvolver novas relações e estruturas em nossa rede. Portanto, temos muito trabalho em 2013 e muitos sonhos a realizar, o que faz com que isso oxigene os CUCAs dando mais fôlego para que cada vez mais pessoas participem do movimento.
 
A falta de planejamento estratégico para pensar cultura em nosso país ainda é evidente. De que forma o CUCA contribui para preencher essa lacuna?
 
Rafael Buda – As políticas culturais em nosso país vêm avançando. Nos últimos 10 anos, tivemos uma série de iniciativas que desenvolveu redes, conceitos e propostas, tudo isso com a participação popular dos movimentos culturais. Estamos passando por um novo ciclo e um arrefecimento em algumas áreas, mas é possível identificar projetos que estão tendo continuidade significativa.
 
Sendo braço de cultura do movimento estudantil, pode-se dizer que o CUCA promove uma complementaridade entre cultura e educação?
 
Rafael Buda – Em nossas ações como Ponto e Pontão de Cultura, o CUCA sempre desenvolveu a troca de saberes entre a universidade e a comunidade/sociedade, rompendo os muros das instituições acadêmicas. Desse modo, foi possível refletir sobre a importância de promover constantemente esse diálogo e sua complementaridade entre cultura e educação.
 
Qual recado você deixaria pra todos os estudantes que estão deixando suas cidades para participar da 8ª Bienal?
 
Rafael Buda – Minha primeira Bienal foi a 3ª, em Pernambuco, e, de fato, foi um momento que mudou minha vida. Poder conhecer pessoas de todo Brasil, seus sotaques, suas culturas, me fez ver o país de outra forma. Acredito que a Bienal é uma experiência única, e que todo universitário deveria participar! Tem coisas na vida que não podemos perder, e a Bienal é uma delas!
Fonte: http://www.bienaldaune.org.br/