Sessão Solene Dia Internacional da Mulher – Prêmio Bertha Lutz

Sessão Solene Dia Internacional da Mulher – Prêmio Bertha Lutz

 

Muito boa tarde às Srªs Parlamentares e aos Srs. Parlamentares e aos convidados desta sessão solene!

Quero aqui saudar a Senadora Vanessa Grazziotin e a Deputada Erika Kokay.

Saúdo, de maneira muito especial, as homenageadas e as premiadas na manhã de hoje: Ana Alice Alcântara, Maria Prestes, Rosali Scalabrin, a ex-Senadora Eunice Michiles e a Presidenta Dilma Rousseff.

Em especial, destaco a admiração que sempre tive pela querida Maria Prestes pela sua disposição de luta. Recentemente, ela lutou para que o arquivo sobre a história de Prestes viesse da União Soviética para o Brasil. Portanto, quero parabenizá-la por essa luta e por esse esforço.

Sem dúvida, é uma feliz iniciativa desta Casa homenagear, debater e eleger como tema principal os 80 anos do poder e do voto feminino. Afinal, adquirimos isso no Brasil após 40 anos da conquista da República, quando uma mulher teve direito ao voto, o que já foi aqui citado por outras oradoras e registrado pelo Presidente da Casa, Senador José Sarney.

A primeira eleitora foi Celina Guimarães, de Mossoró, no Rio Grande do Norte, e a primeira Prefeita foi Alzira Soriano, de Lajes, no Rio Grande do Norte, o que demonstra o protagonismo das nordestinas nesse capítulo da luta das mulheres.

Só em 1932 é que consolidamos essa conquista no Governo de Getúlio Vargas. Em 1997, conquistamos a cota feminina nas eleições, por meio do esforço da famosa Bancada do Batom. Em 2009, o Deputado Federal Flávio Dino, do nosso Partido, conseguiu, como Relator da reforma eleitoral, 5% do Fundo Partidário. Há 33 anos apenas, foi eleita a primeira Senadora, homenageada na sessão de hoje: Eunice Michiles.

O nosso Partido, o PCdoB, quero aqui ressaltar, procura fortalecer e desenvolver uma política voltada para as mulheres, focada nas mulheres. Além de praticar uma política de cotas nas direções partidárias, realiza, neste ano, a II Conferência Nacional das Mulheres, procurando travar o debate sobre a desigualdade e a luta contra a opressão.

O PCdoB é dirigido por mulheres em pelo menos quatro Estados estratégicos do País: Minas Gerais, Rio de Janeiro, Amazonas e São Paulo. Somos também, proporcionalmente, a maior bancada feminina do Congresso: dos 14 Deputados, somos seis Deputadas Federais, o que revela, portanto, essa disposição e essa vontade política.

Por fim – o tempo é muito curto -, quero ressaltar o que todas nós ressaltamos, o quão alvissareiro é este momento de muita afirmação da participação política da mulher em um contexto em que, pela primeira vez na história da República, há aqui uma Presidenta, a Presidenta Dilma. Também veio Michelle Bachelet, e, hoje, Cristina Kirchner é a Presidente da Argentina. Isso revela as possibilidades da afirmação da mulher, como referência, para dar perspectiva à luta das mulheres.

Somente políticas públicas arrojadas e uma reforma política eleitoral à altura do desafio e do momento dos espaços que a mulher exerce na sociedade tornarão possível chegarmos a uma situação em que a participação política da mulher reflita a participação real que tem na sociedade brasileira.

Muito obrigada.

Boa tarde a todos e a todas nós! (Palmas.)