Sessão do Congresso Nacional homenageia 25 anos de UBM

Sessão do Congresso Nacional homenageia 25 anos de UBM
thumbnail_1376337147.jpg

thumbnail_1376337147.jpg

“Nos últimos 25 anos a nossa UBM se soma a A luta pelos direitos das mulheres a autonomia, independência e igualdade”, diz Luciana.

resize_1376337147.jpg

Na manhã desta segunda-feira, o Congresso Nacional se reuniu em sessão solene em homenagem aos 25 anos da União Brasileira de Mulheres – UBM. O evento atendeu requerimento da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB/AM), procuradora especial da Mulher do Senado, e da deputada Jô Moraes (PCdoB-MG), coordenadora da bancada feminina da Câmara dos Deputados, que foi a primeira presidente da UBM.
 
A participação das mulheres em momentos importantes da vida política nacional foi destacada durante as intervenções. Desde 1932, várias conquistas foram citadas antes de lembrar que chegamos a 2013 entre as maiores Nações, somos a 7ª economia mundial e ainda assim ocupamos 187ª posição no que diz respeito a participação feminina no parlamento. 
 
O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB/AL), que abriu a sessão solene, foi um dos oradores que reconheceu que embora sejam maioria do eleitorado, as mulheres ainda não alcançaram igual representação nas instâncias políticas. 
 
A Reforma Política com financiamento público de campanha foi defendida pelas participantes como alternativa para mudar a realidade de exclusão, libertar o chamado “voto de mercado” e propiciar condições mais justa para que as mulheres disputem vagas eletivas, assim como a alternância nas listas partidárias. 
 
A busca por políticas afirmativas que empoderem as mulheres é uma bandeira permanente da UBM nessa luta que é, antes de qualquer coisa, a luta pela própria emancipação humana. Assim, a importância estratégica da entidade foi ressaltada nas intervenções dos presentes e nas mensagens enviadas.
 
A deputada Luciana Santos, impossibilitada de participar da sessão, enviou mensagem à sessão. “Historicamente as associações de mulheres assumiram a vanguarda em momentos críticos, como, por exemplo, na luta contra a ditadura e pela anistia. Nos últimos 25 anos a nossa UBM se soma a essa luta pelos direitos das mulheres a autonomia, independência e igualdade”, destacou. (Leia a mensagem completa)
 
Para a presidente nacional da UBM, Elza Maria Campos, “muita coisa ainda precisa se tornar realidade na vida das mulheres, em especial para aquelas que moram mais distantes do alcance do Estado e das políticas públicas“.
 
A solenidade foi encerrada com a entrega de uma placa comemorativa pelos 25 anos à coordenadora da entidade, Elza Maria Campos. 
 
De Brasília;
Ana Cristina Santos

""

""

""

""