Bancada Feminina discute Reforma Política e campanha de filiação de mulheres

Bancada Feminina discute Reforma Política e campanha de filiação de mulheres
thumbnail_1378227006.jpg

thumbnail_1378227006.jpg

“Mulher, tome partido! Filie-se!” Este é o mote da campanha destinada a incrementar a participação das mulheres na política. 

resize_1378227006.jpg

A bancada feminina promove nesta terça-feira (3), às 18 horas, reunião para discutir a reforma política, com a apresentação de projeto elaborado pela sociedade civil, e a campanha publicitária “Mulher, tome partido! Filie-se!”, que as deputadas pretendem começar em setembro para aumentar a filiação de mulheres a partidos políticos. 
 
A intenção é aumentar a participação feminina na política e, consequentemente, aumentar o número de mulheres eleitas já nas eleições do ano que vem. Como o prazo de filiação para concorrer em 2014 é o dia 4 de outubro próximo, a intenção é de que essa fase da campanha seja rápida e intensa, em TVs e rádios públicas e na internet.
 

A partir dessa data, a campanha muda o foco para conscientizar as mulheres a participar da política de forma mais ampla. Os meios empregados serão a internet e cartilhas, que já estão sendo elaboradas pela Procuradoria da Mulher do Senado.
 
Além da atuação junto aos partidos e movimentos feministas, a segunda fase da campanha para incrementar a participação das mulheres na política pretende envolver a mídia televisiva. Segundo Jô Moraes, coordenadora da Bancada Feminina, o propósito é veicular inserções nas TV Câmara e TV Senado. Mas haverá um esforço para incorporar todas as TVs públicas e os organismos partidários na campanha, disse.
 
A investida voltada à participação de mulheres na política tem ainda o propósito de barrar as candidaturas ‘laranjas’, ou seja, aquelas apenas para cumprir a cota de gênero de 30%, burlando a legislação eleitoral.
 
De acordo com Jô Moraes, vem sendo discutida com a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Carmen Lúcia Rocha. Uma das demandas apresentadas pelas parlamentares nos entendimentos com a ministra e considerado possível pela presidente do TSE é reunir os dirigentes partidários para discutir esta questão.
 
A campanha, definida pela bancada feminina da Câmara, as procuradorias da Mulher das duas Casas congressuais, a Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM), Fórum de Instâncias das Mulheres Partidárias, reúne ainda movimentos feministas e dirigentes de 12 partidos políticos.

Com Agências
Foto: Agência Câmara