Marcela Rodrigues: Tragédia do Rio Doce – impacto que a mídia esconde

Marcela Rodrigues: Tragédia do Rio Doce – impacto que a mídia esconde



É notória a espetacularização dos acontecimentos no Rio Doce desde o rompimento da barragem da Samarco, mineradora que compõe a holding de mineração da Vale . Infelizmente, o espetáculo de devastação que vimos até agora não é o pior que pode acontecer àquela região e seu povo.

Primeiro é preciso entender o básico do processo de uma atividade de mineração. A obtenção do minério compreende as etapas de lavra — que é o processo de retirada do minério da jazida — e beneficiamento, que consiste no tratamento para preparar, concentrar ou purificar minérios, visando extrair o material de interesse econômico, ou seja, o produto final da atividade mineradora (BOSCOV, 2008). A lama de rejeito é, resumidamente, uma composição de resto de solo com todo o material químico utilizado para segregar o produto final, portanto, tóxica tanto pela sua composição quanto pela concentração e volume dos compostos químicos presentes.

Em segundo lugar, há de se diferenciar a barragem de rejeitos de uma barragem hidráulica. As barragens constituídas com rejeitos se comportam basicamente como aterros hidráulicos (aterro de material fluido) e não para reter cursos d’água. O objetivo final da barragem de rejeitos é sedimentar, compactar ou simplesmente endurecer o fluido dentro de um espaço impermeável para que não haja infiltração e contaminação do solo e dos corpos hídricos (subterrâneos ou superficiais) tornando aquele pedaço de chão inócuo porém seguramente isolado. É exatamente o inverso disso que ocorre com o rompimento da barragem. Essa sedimentação passará a ocorrer no leito do rio, afinal, o rejeito é mais denso e pesado do que a água, que não poderá simplesmente dissolvê-lo.

Para termos ideia do que o contato dos rejeitos com o curso do Rio Doce representa, o máximo do metal Arsênio permitido pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), através da Resolução CONAMA 357 de 2005, é de 0,01 mg/L enquanto a quantidade encontrada na amostra divulgada pelo prefeito comunista de Baixo Gandu – ES, Neto Barros, foi de 2,6394 mg/L. Essa mesma amostra apontou a presença de metais como mercúrio, alumínio, ferro, chumbo, boro, bário, cobre, entre outros.

O contato com esses metais provoca a redução da capacidade de autodepuração das águas e a contaminação da água subterrânea sujeitando à acumulação de metais tóxicos em cada estágio sucessivo da cadeia alimentar, com ameaça aos consumidores — inclusive humanos — através da ingestão de peixes e água, e comprometendo a agropecuária. Para efeito de comparação, o Pará, outro estado produtor de Ferro e concessionário da Vale, identificou em análises feitas em comunidades ribeirinhas do Rio Tapajós a presença de 59 mg/g de mercúrio em indivíduos sendo que o total permitido é de 0,0002 mg/L Hg, mesmo décadas após o encerramento das atividades em Serra Pelada.

As consequências da tragédia que envolve milhares de pessoas daquela região são ainda piores do que tem sido divulgado. É verdade que algumas espécies endêmicas da Mata Atlântica podem vir a desaparecer, mas o drama maior envolve as espécies que sobreviveram e que tiveram sua única forma de acesso aos direitos básicos da vida, como dessedentação e alimentação, foram comprometidos por contaminação com prazo a perder de vista. Por enquanto, aguardamos o plano anunciado pela empresa, enquanto observamos a contaminação seguir para o mar. Infelizmente a pior parte dessa tragédia não se pode enxergar a olho nu.

Referências:

BOSCOV, M. E. Geotecnia Ambiental. Oficina de Textos, 2008.

Resolução 357 de 2005 do CONAMA.
Disponível em http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res05/res35705.pdf

*Marcela Rodrigues é estudante de Engenharia Ambiental na Universidade Católica de Brasília, chefe de gabinete da deputada Luciana Santos (PCdoB/PE) e coordenadora da Organização de Base do PCdoB no Congresso Nacional.

**Foto: Leonardo Merçon/Instituto Último Refúgio